quinta-feira, 21 de agosto de 2014

insónia

Entre o fumo dum cigarro
esvai-se o pensamento solto
e, onde deveria ter parado, agarro
um vago sentimento morto
que ao nascer já era torto.

Tento endireitar as linhas
numa escrita de fantasia
as horas já não são minhas
são dum tempo que não havia
e dum espaço que não se cria.

O sono, esse não vem
atirar-me p'ro descanso
onde lá estaria bem
a repousar d'um dia manso
que passou num simples lanço.

20.ago.2014

domingo, 17 de agosto de 2014

Uma flor à minha espera


luís castanheira
Uma flor ainda em jardim
espera ansiosa hoje por mim
é uma rosa algo amarela
que de esperança sente e desespera
mas como ainda há primavera
há-de em frescura conservar-se bela.

Não é vermelha nem branca era
mesmo que o inverno chegue ao pé dela
tem um sorriso mesmo na espera
por mim que agora vou ter com ela.

ago.2014

vozes na escuridão

Hoje acordei já tarde
e a vida  não esperou
por mim
na manhã que passou

mesmo assim oiço uma raridade:
(na rua alguém propaga uma ’verdade’)
a vinda de Cristo, novamente

e um folheto distribuído por mão crente.

(ai, se isso acontecesse...eu teria novo interesse.)

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

sombras

foto luís castanheira
na minha mão repousa um sentimento
candeia acesa em noite treva
e a escuridão já é só um lamento
é ela agora a minha serva
um olhar terno, um sorriso meigo
poisado em lágrima de contentamento.

(amar, é este querer, acreditar mesmo a sofrer)

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Paulo Périssé_Salt Laty City - Utha

LP  _ Face





Mensagem manuscrita em álbum de vinil, duplo, LP comprado em loja de usados - Lisboa - Pretendo devolvê-lo ao autor da dedicatória (Paulo Périssé) esteja onde estiver.






LP_ Contra-Capa_ com dedicatória







Descrição do Álbum:

"31 Creat Hymns - THE MORMON TABERNACLE CHOIR -
ROCK OF AGES -THE PHILADELPHIA BRASS EMSSEMBLE
AND PERCURSSION RICHARD CONDIE, CONDUCTOR "

Mensagem/Dedicatória:

« 10 de Maio de 1976
Salt Laty City - Utha

Aos meus queridos pais portugueses
Uma recordação de momentos maravilhosos
e inesquecíveis que passamos juntos nos templos
de Provo e Salt Lake. Estes discos contêm algumas
das músicas que ouvimos o côro do tabernáculo
cantar. Espero que cada vez que as ouvirem de novo possam lembrar deste nosso encontro.

Eu os amo de todo coração...até algum dia.

Seu filho
Paulo Périssé
»





As palavras…
Sei onde nascem
Sei onde param
Só não sei onde andaram.

Sigo as palavras até à origem
Como a descoberta da nascente dum rio
Percurso de décadas seguras por um fio
Que eu prendo no sonho naquilo que dizem.

Hoje abandonadas estendem-se ao olhar
Tento encontrar a viagem em repouso nesse chão de mar
Estas sentidas palavras que acabo de achar.

Devolvê-las a quem pertencem difícil  será, mas hei-de tentar…

LM

sábado, 2 de agosto de 2014

cardos



foto: luís castanheira

são cardos, Senhora, são cardos
nos  ombros espetados em pesados fardos
e um passo penoso pairando o destino
sobre os campos de pedra e a altiva serra
com frio que medra no vento que ferra
e o sonho voando dentro do abismo
este que Vós veis já desde menino

…e o rio não nasce no tempo escolhido. 

LM_ 30.jun.2014