quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

sombras passadas

foto: luís castanheira
quando pequeno eu olhava
os gigantes inacessíveis -
- pés de barro, sem o saber-.
via-os frios, em distâncias a perder
mas, à medida que crescia,
fui vendo-os como nunca os via
mais pequenos eles ficavam,
mais comuns eles se tornavam
e, quanto mais me aproximava
deles, menos sombra se projectava.

Assim é o Ano Velho, que acabou
e um Novo, para melhor, se iniciou!



quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

as cadeiras vazias

luís castanheira
À minha frente todos os lugares estão
vazios.  Esperam... Ausências físicas
de corpos, em momentos que ficam
nas memórias do redondo espaço. Mas que
diferença fará, a esses lugares, vazios
ociosos e frios?
Será total a indiferença
mas para mim não. O silêncio
espelhado, plasmado, é de ouro
ou outra coisa qualquer...É como estar
e em todas as cadeiras,  sentar-me
nelas, ao mesmo tempo e com elas falar
com os meus "eus", habitantes do espaço.
Trocamos olhares e sei o que pensam
sei o que querem.. Às vezes discordamos  
noutras a concordância é total
por vezes o interesse do diálogo desperta o meu sentido.
Aí, tenho uma longa e salutar conversa
sobre tudo e sobre nada. Em silêncio... E o que fica
já não é solidão. É o  sentimento 
da existência, por dentro da paixão.

17.dez.2014


coimbra


foto cedida por António Dias


minha cidade
meu ninho 
meu canto
mondego do meu encanto



segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

a espera

foto luís castanheira
À beira do Tejo
um café e um desejo:
não demores!
Límpida suavidade
É a espera de verdade.

(por ti, Sofia)