domingo, 12 de fevereiro de 2017

um pouco mais...



mais do que amar
era criar
mais do que cantar
era escutar
mais do que escrever
era ler
mais do que falar
era calar
mais do que beijar
era olhar
mais do que sonhar
era parar
mais do que querer
era oferecer
mais do que perdoar
era esquecer
mais do que sofrer
era desnacer
mais... muito mais
era estar vivo
sentindo-o sem ser 
de menos
nem ser demais.



4 comentários:

  1. o equilíbrio da medida certa é sempre precário
    há sempre um "de menos"
    ou "um demais" que se intromete.

    um belo poema. como é teu timbre
    gostei de verdade.

    caloroso abraço, caro Luis

    ResponderEliminar
  2. Um guia-poema: saber estar no amor.
    Atrevo-se e digo, sem contrariar o Poeta, que tem sempre uma luz que o ilumina, "mais do que perdoar era esquecer" mas, muito mais é perdoar e esquecer. Não há esquecimento sem perdão nem perdão sem esquecimento.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Tantas vezes mais. Tantas vezes menos. É a emoção da vida a transbordar das palavras e a mostrar que o Amor é aquilo que mais importa. Apesar de tudo. Apesar de nada...
    Uma boa semana meu amigo.
    Um beijo

    ResponderEliminar
  4. sim...um pouco mais
    de amor
    de palavras
    de sorrisos

    gostei muito!

    beijinhos

    :)

    ResponderEliminar